O mito de Marte

Por

Escrito por Josylene Sousa

Para os gregos e romanos, Marte simbolizava a guerra e o sangue. É o deus da guerra, que só se interessa em satisfazer os seus desejos. Sua origem grega foi na Trácia, região belicosa. Era conhecido como um deus brutal, agressivo e semeador de desentendimentos. Chama-se Ares e só era apreciado em Esparta, onde chegaram a acorrentá-lo em estátua, a fim de que não abandonasse a cidade.

Em Roma teve muito sucesso, o que pode ser explicado pela psicologia do povo, mais agressivo e voltado para as artes guerreiras. Foi considerado pai de Rômulo e Remo. Era um deus agrícola até que se transformou em protetor das conquistas romanas.

Marte golpeava ao acaso, trazia a violência e a carnificina e aparecia sempre acompanhado por seus dois filhos e ajudantes: Fobos, o Medo, e Deimos, o Terror. No entanto, quase sempre perdia suas lutas. Teve vários amores à força, posto que, quando era rejeitado, violentava. O mais famoso foi com Vênus, da qual nasceram Eros e Harmonia.

Roma dedicou-lhe o mês de março e celebravam-lhe, nessa época, uma grande festa num altar em Campus Martius, daí derivando a palavra marcial.

Deixe um comenário