O Ciclo da Lua Progredida

Por

Poucas coisas dão tanto a ideia de multiplicidade do universo, e, ao mesmo tempo, da exclusividade de cada parte dele, do que a astrologia. Um momento é algo único. Não há absolutamente como reproduzi-lo depois. As forças presentes em um momento compõem um painel inigualável. Você mesmo é algo inigualável.

Ao mesmo tempo em que a astrologia fornece uma profunda noção daquilo que é único, ela também trabalha com a ideia de ciclos. O ciclo representa etapas de alguma forma conhecidas. Certas coisas se repetem, embora nunca de forma igual. Os dias são cíclicos, você vive manhã, tarde e noite. As manhãs guardam entre si semelhanças, mas nunca são iguais. Nunca uma manhã será como a outra, ainda que o sentimento interior que ela nos cause seja familiar.

De vez em quando, uma pergunta é feita: para que serve a astrologia? Não haverá apenas uma resposta a esta pergunta. Uma delas é que a astrologia serve para OBTER A CONSCIÊNCIA DO MOMENTO. Alguém pode argumentar: você pode obter a consciência do momento sentindo-o. Sim, e não há problema algum nisso. Quem dera pudéssemos estar sempre sentindo. Mas nossas consciências não se sustentam por tanto tempo. O mundo é muito rico e variado em estímulos, e, além disso, nosso próprio interior é variado. Acabamos nos distraindo com facilidade do momento.

A astrologia não é uma via para SENTIR o momento. Ela é uma via para CONHECER o momento. Ela funciona através da razão. Na nossa constante tendência a adormecermos e a nos distrairmos, a astrologia é um chamado: “olhe, o momento é este”. Ela é capaz de fornecer uma idéia aproximada da duração deste momento. Sobretudo, com ela podemos entender a tônica do momento e dar um significado a ele. Encaixá-lo na nossa trajetória. Integrar o presente com as nossas experiências do passado. Saber o que queremos do presente. O que é importante para nós AGORA e POR QUE. O porquê é sempre decisão nossa.

Em sua riqueza abissal, a astrologia tem várias maneiras de informar qual é o nosso momento. Uma delas é através da progressão da Lua. Progressão secundária é o nome de uma técnica assentada no simbolismo de que para cada dia da vida corresponde um ano. Esta premissa, que pode soar simples demais e até estranha, é profundamente verdadeira, mostrando que transitamos entre espirais, que há ciclos dentro de ciclos. Que no momento em que algo se inicia, inicia ciclicamente, espiraladamente, e jamais de maneira isolada, sem conexão alguma com as outras partes.

A Lua, na astrologia, é um ponto altamente sensível. E profundamente instintivo. É através da Lua que nos ligamos à natureza, aos animais, às pessoas, ao que quer que seja. Esta ligação é um contato direto que nos nutre e que também nos afeta. A Lua são nossos terminais de dor ou de prazer. A Lua é símbolo de vida. Tudo o que é vivo embute uma delicadeza, não consegue ficar alheio ao restante.

Na progressão secundária, a Lua, que leva 28 dias para completar seu ciclo em torno da Terra, leva 28 anos para completar seu ciclo em nosso mapa. Ela passa pouco mais de dois anos em um determinado signo ou casa. Quando ela está em um signo, você pode ler que ‘você está seco, carente desta qualidade’. Você quer viver esta qualidade, estes assuntos, esta forma de ser. Se quiser, fale o contrário, isto é ‘que você está cheio daquilo’. Também é verdade. Está tão cheio que precisa reproduzir em sua vida, criar aquilo fora. Você só sentirá preenchido na medida em que conseguir ir em direção àquilo. E, neste caso, não é bom que saiba racionalmente que PRECISA daquilo? É para isto que serve a astrologia.

A Lua é símbolo de nutrição, e, como não poderia deixar de ser, também de fome. Esperar estar alimentado ‘para sempre’ não existe. Você come agora e sabe que daqui há três ou mais horas poderá estar com fome. Quando a Lua está em uma casa, parece que estamos precisando enormemente das experiências daquela casa. Quando ela já está finalizando a sua passagem por aquela casa, atingimos o ponto de fartura daqueles assuntos e passamos a desejar outros. É mais ou menos como comer salgados e depois desejar doces. Conhecer o signo e casa em que a Lua progride é como dizer: ‘sua fome é esta, vá saciá-la’. Poderíamos simplesmente saber disso dentro de nós. Aliás, quantas vezes já sabemos? Ocorre que há um degrau entre saber e catapultar algo ao nível da consciência e da decisão, que é o nível solar. Existe um ponto na astrologia que representa as decisões que tomamos, os comandos que damos em nossa vida, e este ponto é o Sol. Assim como os planetas giram em torno dele, tudo em nosso mapa também gira em torno dele. Toda nossa tentativa é a de criativamente estarmos no centro de nossa vida, e não fora. E o conhecimento dos ciclos, seja da Lua progredida ou outros, converge para isto. Se a Lua é símbolo de nossa ligação com o mundo, em certa forma representando nosso pólo passivo ou receptivo, o Sol é símbolo de nossa habilidade como ‘deuses’, como pequenos criadores que querem se tornar plenos na arte de viver, fazer, ser.

3 comentários sobre “O Ciclo da Lua Progredida”

Adoro suas análises, pois são muito elucidativas, são bem didáticas e permitem que possamos realmente entender o assunto sobre o qual você está analisando de maneira clara, não deixando dúvidas a respeito. Você dá exemplos que são tangíveis. Quando quero tirar qualquer dúvida sobre um assunto de astrologia, costumo procurar suas postagens. Claro, sem desmerecer nenhum astrólogo, pois conheço vários e sou admiradora de muitos e leio praticamente todos. Cada qual com seu perfil e seu modo de trabalhar! Grata!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *