O Segredo de Brokeback Mountain: um estudo sobre aspectos de Saturno-Netuno

Por

Muito mais do que a história do amor entre dois cowboys, O segredo de Brokeback Mountain é um filme sobre impossibilidades, sofrimento e depressão. Nele vemos em funcionamento os contatos desarmônicos Saturno-Netuno, um dos aspectos mais difíceis para a consciência emocional.

O filme casou choque em seu lançamento em 2005/2006

“O Segredo de Brokeback Mountain”  estreou nos Estados Unidos no final de 2005 despertando muita polêmica e curiosidade em torno da história de dois cowboys que, nos anos sessenta, se apaixonavam. O filme também atraiu uma multidão no Brasil que queria vê-lo na tela grande e viajar nas belas paisagens. Eu fui um desses espectadores. A única coisa que eu não esperava era o tom profundamente depressivo do filme. Somente anos depois fui compreender o porquê.

“Ama o cowboy errante às costas da montanha quebrada.
Esfola seu coração emigrante até que lhe sobrem apenas as lágrimas.”

Netuno ingressou em Aquário em 1998 e ficará neste signo até janeiro de 2012 (com exceção do período que irá de abril a julho de 2011). O gasoso planeta azul (veja quadro) dita as modas e os comportamentos coletivos. Quando Netuno percorre um signo, cria um ambiente propício à assimilação dos conteúdos ligados ao mesmo. Não apenas isto: a passagem deste planeta nos faz desejar viver de acordo com os valores do signo através do qual ele transita. Aquário é considerado, em sua essência, bissexual, nem masculino, nem feminino. Representa os diferentes, os que estão fora do padrão. Desde que Netuno ingressou em Aquário, os homossexuais, até então encarados com grande preconceito, começaram a ser vistos, discutidos e, em muitos casos, compreendidos. Foram cada vez mais aparecendo na mídia, no início como personagens caricatos, e, aos poucos, ganhando nuances e complexidade, como foi o caso dos protagonistas de Brokeback Mountain. Sob a influência de Netuno em Aquário, lindas mulheres famosas passaram a trocar provocativos selinhos públicos entre si e cantores e artistas assumiram seu lado gay sem maiores prejuízos. No final da era de Netuno em Aquário, países discutem a adoção de crianças por casais gays e o estendimento dos direitos dos heterossexuais também aos homossexuais.

Brokeback Montain foi, portanto, mais um reforço em uma profunda revolução comportamental que beneficiou bastante as pessoas que se relacionam com outras do mesmo sexo. É como se, com a passagem de Netuno em um signo, cada vez mais as resistências fossem caindo, até que o que causava escândalo não assuste mais muita gente. Entretanto, não era assim na década de sessenta, tempo em que se passa o filme. O diretor Ang Lee tentou mostrar a angústia da homossexualidade masculina em uma época em que isto era considerado uma fraqueza e aberração, atraindo reações violentas e extremadas como infelizmente ainda se veem até hoje. A estreia aconteceu com Netuno em Aquário – que, como foi dito, trouxe maior tolerância cultural à questão da homossexualidade –, mas oposto a Saturno, que rege os impedimentos e a resistência, colocado no signo do amor, Leão. Este aspecto foi o responsável pelo clima do filme. Levado ao pé da letra, Netuno rege as coisas impossíveis e Saturno em Leão é o amor. O amor impossível. O que se sente no âmbito privado (Leão) versus o que é aceito no social (Aquário). Não por acaso, a história se inicia em 1963, quando Saturno em Aquário (onde hoje temos Netuno) quadrava Netuno em Escorpião, signo que rege as paixões e os amores proibidos, as crises e os problemas emocionais.

Nos Estados Unidos, o filme recebeu o nome de “Brokeback Mountain”, enquanto no Brasil a tradução foi “O Segredo de Brokeback Mountain”. O título brasileiro simplesmente sintetiza a temática astrológica do filme, posto que Netuno representa segredo e que montanhas são simbolizadas por Saturno. Pois é na solidão (Saturno) das montanhas que o amor (Leão) entre os protagonistas acontece. Mas é um amor de Saturno em Leão oposto a Netuno: reprimido, impedido, difícil, impossível. Um amor que pressiona tanto para existir quanto é rejeitado, levando aqueles que o sentem à aniquilação física e psicológica.

Saturno e Netuno no filme

Os protagonistas desta saga são Ennis Del Mar, interpretado por Heath Ledger, que pouco mais de dois anos depois da estreia morreu por overdose de medicamentos (regidos por Netuno), e Jack Twist, vivido por Jake Gyllenhaal. Ennis Del Mar, como o próprio nome já diz, mar, é Netuno, e Jack Twist, que ao longo do filme irá viver uma vida retorcida, simboliza a polaridade Saturno. Será Ennis quem se deteriorará emocionalmente (Netuno), enquanto Jack morrerá fisicamente (Saturno, a matéria).

Jack-Saturno propõe a Ennis-Netuno concretizarem um amor, comprando um rancho, onde viveriam juntos. Netuno, das profundezas do seu ser, se nega. Porém, negar-se é um crime tão hediondo que ele passará o resto do tempo impondo sacrifícios a si mesmo e a Jack. O segundo, como polaridade saturnina, tenta tornar o relacionamento possível. Tem também um melhor entrosamento com a realidade (algo igualmente saturnino). Seu casamento, tão sem substância quanto o de Ennis, ao menos funciona melhor no plano material e é mais amigável. A Ennis cabem as tarefas mais duras, como cuidar do gado. E enquanto o sogro de Jack o trata como um peão de quinta categoria, Ennis recebe da esposa e das filhas olhares carregados de pena e decepção. Em suma, Jack é um Saturno que almeja um Netuno. Coisa pior não há para um planeta realizador. Ennis, por sua vez, é um Netuno que teme o pior de Saturno, isto é, a vergonha social, a ridicularização (Saturno em Leão) e, por fim, a exclusão.

O que fica claro é que Ennis paga um preço muito caro pela recusa em vivenciar plenamente o seu amor, não inferior, entretanto, ao que teria de pagar por ser um proscrito, amar um homem e viver com ele. Nunca houve uma saída fácil, e não parece que ele tenha compreendido totalmente a dimensão existencial disso. No final, o que lhe resta é a camisa ensaguentada da pessoa a quem amou em segredo por vinte anos.

Para ele, tudo já era inviável desde o começo, pois sua infância foi marcada com as cenas de intolerância a que assistiu: um homem que morreu sendo arrastado por seu pênis porque vivia com outro. Ennis sempre foi melancólico. Em um certo momento, compartilha a sua história com Jack (e, segundo declara, falou mais em dez minutos do que em um ano inteiro) através de frases que revelam, a um só tempo, fatalismo e resignação.

A primeira é sobre a morte dos pais, mas é também profética quanto ao seu destino e o de Jack:

“Eles iam fazer uma curva, e se perderam, não fizeram”.

As outras versam sobre a sua visão de mundo:

“Estava cursando o colegial, mas um dia o carro quebrou e eu parei de ir”.

“Eu trabalhava com o meu irmão, até que ele se casou e não havia mais espaço para mim na casa dele, então eu vim parar aqui”.

“Sim, eu monto nos rodeios, quando tenho dinheiro. (…) É uma boa atividade para ganhar dinheiro.”

Para o jovem e ingênuo Ennis (com uma experiência mundana muito mais limitada do que a de Jack), a vida é perversa, tudo decai e não há qualquer apoio. Diga-se de passagem que apoio é Saturno e Netuno é falta, ausência. Desta forma, pais morrem, carros quebram para sempre, irmãos abandonam irmãos para iniciar suas famílias. É como se a vida fosse um grande tornado, que vai varrendo tudo o que há pelo caminho. O destino está contra a vontade do indivíduo, sabotando todos os seus esforços. Há pouca (ou nenhuma) sorte, para não dizer o contrário. Por causa disso, o vaqueiro é patologicamente sério. Seu valor supremo é o trabalho e também seguir e fazer o que os outros fazem. É a pessoa menos preparada para experimentar o que vai acontecer em BrokeBack Mountain.

Em um certo sentido, ele é a própria oposição Saturno/Netuno, pois encarna tanto Saturno (rigidez, seriedade, amadurecimento precoce) quanto Netuno (desistência, apatia). Dissemos que Jack representa Saturno não porque sua personalidade corresponda a este planeta, e sim, porque ele é o polo que crê que este amor possa existir na realidade. Em essência, está mais para Júpiter, com sua paixão por rodeio, sua sorte (pois teve um casamento materialmente muito bem sucedido) e a tendência a querer fazer suas próprias regras como um Zeus. Jack não julga o que sente, como Ennis faz. Jack só não é mais Júpiter porque ama Ennis.

Entre a fantasia e o limite

Ennis com a camisa ensanguentada de Jack: tudo o que restou

Quando aceitou o fatídico trabalho, Ennis era um jovem curvado pela lembrança opressiva da morte violenta que presenciou na infância, e também pelas perdas, interrupções e abandonos, já levando consigo o gérmen deste fado, pronto para fazê-lo repetir. Jack foi o seu tornado, o acidente que aconteceu entre o trabalho temporário e o casamento programado. A pessoa que lhe deu o amor mais sublime de sua vida, intimidade e proximidade, mas, também, a sua derrocada. Ao primeiro acidente, o encontro com o peão de rodeio, sobreviveu, honrando o compromisso com sua noiva, vivendo seus melhores anos, confiando na sua força e no seu trabalho. O segundo acidente, o retorno de Jack, o quebrou, conquanto já não fosse um homem expansivo e tivesse tendências limitadoras e castradoras. Mas teria vivido até o final de seus dias assim com sua mulher e obtido alguma satisfação em criar suas filhas, casá-las e receber seus netos. Jamais em sua vida esperou se apaixonar por um homem. Seu sonho era o de ser como os outros: casar, progredir e ser respeitado (Saturno). Em seu íntimo, nunca aceitou sentir o que sentia, o que para ele era desgraça e vergonha supremas: amar outro homem e desejá-lo mais do que tudo. Não conseguir vencer este inexplicável sentimento erótico e amoroso. Quantos homossexuais no passado e no presente já não passaram pelo mesmo que Ennis? Quiseram não ser quem eram? Pode ter partido de Jack a ideia da primeira investida, mas Ennis consentiu com a segunda, a terceira e com todas as outras. É Netuno, o sentimento e o inconsciente, muito maior do que Saturno, as ordens, as leis, as convenções e a própria pessoa.

No início, ele e Jack tiveram as pescarias na montanha. Sim, pescarias, regidas por Netuno, e duplamente por este planeta porquanto falsas (mentiras pertencem ao universo de Netuno), visto que nunca um peixe foi pescado. Mas foi numa dessas ocasiões que Jack fez a proposta que Ennis negou tantas vezes quanto lhe fosse apresentada, até que nunca mais fosse feita, quando Jack Twist morreu, aos 39 anos, na quadratura Netuno/Netuno. Nas proximidades desta quadratura, as pessoas confrontam suas ilusões, e tentam descobrir o que é possível e o que não é, os sonhos e aquilo que é simples fantasia. Pouco depois que o esperançoso Jack finalmente se dá conta de que nunca poderá estar próximo de Ennis, e que ele terá cada vez menos do homem que ama, morre assassinado. E, quanto ao segundo, não há um final definido, ao menos no filme, que simplesmente se interrompe logo depois que um homem alquebrado emocionalmente balbucia uma frase que também não termina. Netuno puro, desmilinguindo-se como o faquir de Kafka. O tempo (Saturno) contra o sonho (Netuno). O sonho dos homens contra aquele tempo.

As complicadas manifestações de Saturno/Netuno

Desesperança: esta é a palavra chave dos trânsitos de Saturno/Netuno. Saturno, o que tira, o grande “de” do zodíaco: desiludido, desencarnado, desalmado. Saturno formou conjunção, oposição e quadratura exatas com Netuno nos últimos sessenta anos em 1952/1953, 1963, 1971/1972, 1979/1980, 1989, 1998/1999, 2006/2007, mas é preciso checar as efemérides, pois, por exemplo, em 1970, Saturno e Netuno estiveram opostos em Touro e Escorpião apesar de a oposição ainda não ter sido exata. Contudo, o clima já estava presente, por certo.

 Os nascidos nestes períodos talvez tenham que lidar, em menor ou maior grau, com alguns elementos presentes neste filme, em especial na psicologia de Ennis. No início, é uma história vibrante (em sua porção Jack) e depois de algum tempo começa a se repetir como a trajetória de seus dois protagonistas, que não conseguem sair do lugar e nem renunciar um ao outro. Algumas pessoas que possuem contatos Saturno/Netuno podem ter uma teimosia profundamente inconsciente e autossabotadora como a de Ennis, ou encontrarem em suas famílias ou relações mais próximas quem as tenha. Gente que não irá desistir de sua decisão por uma derrocada ou pelo isolamento.

A escritora Virginia Woolf, conhecida pelos seus surtos depressivos, nasceu com uma conjunção Saturno/Netuno no signo de Capricórnio.

Esta teimosia é a de negar a vida, ou que seria mais saudável ou mais fácil. Aferrar-se ao impossível ou, simplesmente, tornar-se impossível. E, no caso de Ennis, levar quem estiver junto para o fundo do oceano, pois trata-se de outro teimoso, ainda que na pele de um insistente (Saturno) sonhador (Netuno), que não pode ter o que quer e nem deixar de sofrer pelo que não tem, paradigma que se aplica tanto a Jack (que quis ter Ennis) quanto a ele próprio (que desejou respeito e não ser homossexual). Ou seja, quem tem este aspecto ou está passando por um trânsito de Netuno a Saturno, pode ter alguns embates dolorosos com situações muito difíceis de se concretizar. Pode se sentir atraído por alguém que será um Netuno (uma pessoa que tem grandes problemas com o princípio da realidade) ou ser o Netuno de alguém (a parte que dificulta ao máximo, que inviabiliza). E nisso vão-se alguns anos, dois, três, nove, vinte. Mas o oposto também ocorre: pode-se desistir do que seria viável e também largar esforços (Saturno) pela metade (Netuno). Ennis desistiu do amor antes mesmo de cogitar tentar. As relações com figuras parentais e de autoridade (Saturno) também podem ser atribuladas por este aspecto, pois ou os pais são ausentes, como foram os de Ennis (que faleceram, sendo que nenhum irmão assumiu integralmente a função), ou não compreendem a pessoa, como o pai e o sogro de Jack.

Fracasso: eis um dos pesadelos de Saturno/Netuno. E quanto maiores as doses de fracasso (real ou imaginário), mais desce a areia movediça debaixo dos pés. “Eu não posso ter o que eu quero” é o mantra deste aspecto, tanto quanto “eu quero ter o que eu quero, exatamente como eu quero”. Não sabe qual dos dois é pior ou o quanto estão interligados. Eventualmente, isto é vivido de um modo menos dramático. A pessoa pode ter a sua fase Netuno, de idealismo com baixo retorno material (a vida de Ennis), ou de maior enquadramento (Jack). De toda forma, parece estar configurada a divisão entre o ideal (Netuno) e o prático (Saturno). Em casos harmoniosos, pode-se tentar organizar a dimensão da realidade e do sonho e falta de limites. Alguns representantes destas gerações se amarguram (Saturno) com a brutalidade da realidade e da mesquinhez dos homens ou aprendem a perdoar, infinitas e exageradas vezes (Netuno). Há, ainda, os que se habituam à realidade, por entenderem que Netuno está distante demais e é mesmo perigoso deixá-lo por perto. Há que se controlar (Saturno) a idealização (Netuno). Há que se instalar no coração os anticorpos que previnam a fantasia, a vulnerabilidade e sua terceira irmã, a decepção. O horror de se tomar ocos cenários por paisagens.

Uma outra característica destes aspectos é que as máquinas podem parar. Saturno é a produção, Netuno é o esquecimento e as falhas, os acontecimentos de ordem maior. Os carros que não fazem curvas. Algumas pessoas nascidas com esta combinação em seus mapas – ou gente bem próxima ligada a elas – podem ter fases de esforço, arrumação, eficiência (Saturno) alternadas com outras em que se perdem tanto que nem sabem quanto tempo dormiram (Netuno). Os longos (Saturno) hiatos de nada (Netuno). Isto pode acontecer em uma esfera profissional, afetiva, emocional ou em todas. Foi o que ocorreu com Ennis, que antes do reencontro com Jack se sentia um homem eficiente (ainda que profundamente nostálgico do que tinha vivido), e após, esmagado, sobretudo quando a mola-mestra do que ele pretendia construir, a esposa-irmã, se separou dele.

Quando Saturno e Netuno formam aspectos dissonantes (conjunção, posto que regem princípios muito diferentes, passíveis de entrar em choque, quadratura e oposição) pode pairar no ar uma pesada nuvem de depressão e saudade por alguma coisa que se quis e não se teve, ou que se teve e se espatifou no chão, e uma profunda solidão. Não é de surpreender que este aspecto possa motivar tanto as buscas quanto as crises filosóficas e espirituais. Saturno, o cético, em disputa com Netuno, o que enxerga anjos no horizonte, sanidade nos loucos e rumo nos incorrigíveis.

Saturno/Netuno também pode simbolizar as situações que não se definem, como Ennis foi ao longo de todo o filme, em que não angariou o sucesso e o respeito que gostaria e nem viveu plenamente o amor que lhe foi reservado. E como foi para Jack, que sempre ficou à margem e espera de um homem muito difícil, o que Ennis, com toda a consideração ao seu sofrimento, nunca deixou de ser. Aliás, esta combinação no mapa pode gerar pessoas bem difíceis ou que encontrarão alguém assim. Complicar ao máximo a vida pode ser um dos subprodutos deste aspecto.

Saturno/Netuno também rege o medo do tempo. O tempo que não trará o que foi prometido e se esgotará como uma bomba-relógio. Não haverá reconhecimento (Saturno). As engrenagens não irão funcionar. A criança não aplaudirá o falso palhaço, que mais parece o Coringa borrado de Batman. Nenhum pote de ouro ou arco-íris (Netuno) no fim do caminho, restando somente os ossos (Saturno).

Outras crenças inconscientes podem ser a de que o que é bom ocorre apenas uma vez e, não raro, quando não estamos prontos. Perdem-se oportunidades que vão embora. Ainda que ardentemente desejados, milagres (Netuno) ou são escassos ou muito demorados (Saturno), raramente obedecendo às urgências, vindo no tempo em que estão sendo clamados. No mapa astral, esta combinação pode ter esta voz, embora haja outras que digam outras coisas. Mas esta algumas vezes sussurrará sua tristeza, desânimo e cansaço. Quem sabe para, depois, se levantar, persistir (Saturno) e começar de novo. Esforçar-se (Saturno) para crer (Netuno) em alguma outra nova coisa, ainda que com algum medo (Saturno) secreto da próxima mentira ou armadilha (Netuno).

Saturno/Netuno pode ser responsável por finais estranhos, como acontece no filme. O (não) desfecho de Brokeback Mountain foi muito comentado, ora sendo chamado de surpreendente, ora decepcionante. Estruturas mal ajambradas da vida de quem tem este aspecto podem se esfarelar no amargor. O tempo (Saturno) pode ir corroendo o sentido, o sentimento, a ligação (Netuno), e o fim pode vir bem antes, na rija dança da impossibilidade. Dificuldades de comunicação também parecem ser uma característica desta combinação, mesmo quando ela não ocorre em signos diretamente ligados a isto. Muros (Saturno) intransponíveis (Netuno) ou quase.

Ennis, a figura-chave deste filme, é um homem já de início com sérias dificuldades emocionais e que, com a perplexidade de sua condição, foi ficando cada vez menos articulado, a expressão do amor em um esgar da boca, mas os olhos como um fundo poço onde jazia tudo de que foi privado, ou, o que é ainda mais perverso, tudo de que privou a si mesmo e aos outros (o amante, a ex-esposa e as filhas). Na figura de triste cowboy, é o Netuno mais rígido que já se viu e o Saturno mais melancólico que se conheceu. Do encontro entre a bruma (Netuno) e a escuridão (Saturno) nasceu a sombra.

Ennis Del Mar: o grande amor de sua vida paralisando-o como veneno de cobra. Para não ficarmos como ele, temos de perguntar se ele se equivocou. Sim? Não? Sabemos apenas que ele não quis ficar com o possível (Saturno), e com o impossível ficou. A fantasmagórica companhia de Netuno.

Deixe um comenário