Filme “365 DNI”, Escorpião, Plutão e a temática do abuso

Por

“365 DNI” da Netflix está causando furor no mundo todo. E não é por ser um filme de roteiro ou direção incríveis. Pelo contrário, vai de mediano a sofrível, dependendo do gosto. O motivo é o ator Michele Marrone, de 29 anos.

O rapaz, de 1,89 m, é de uma beleza de tirar o fôlego, exala sensualidade, e, além de tudo, ainda canta, e com uma linda voz rouca. Perfeição é pouco para definir este libriano, o signo da beleza, e com Vênus, o planeta da beleza, ainda por cima, em Libra, um de seus domicílios. Além de tudo, o italiano é um bom ator. Tem Mercúrio, o planeta da mente, em Virgem, um posicionamento estudioso, perfeccionista e meticuloso. Michele (sim, este nome é um problema no Brasil) é também pintor. No dia em que nasceu, a Lua estaria em Peixes ou em Áries. A julgar pela sensibilidade artística e musical, possivelmente está em Peixes.

Em “365 DNI”, ele interpreta Massimo, o herdeiro de um império mafioso que fica obcecado (o que ele chama de estar apaixonado) por uma linda mulher, após vê-la rapidamente antes de um acontecimento trágico em sua vida. Quando a reencontra, o poderoso não hesita em drogá-la, sequestrá-la e tirá-la do mundo dela. Sem consultá-la em nenhum momento, “propõe”, mas não dá a ela outra opção que não esta, que ela fique um ano com ele, e, se ela não se apaixonar por ele, ficaria liberada para viver a vida dela.

Isto inicia uma história com altas pitadas de erotismo e sexo, com um enfoque bastante feminino, já que o corpo do ator e as reações dele são muito mais mostrados do que o da bela atriz de origem polonesa. Massimo é o arquétipo do homem viril, “latino”, poderoso, lindo, com pegada, mas que também sabe ser gentil. Ou seja, cai como uma luva em qualquer expectativa, por isto está causando suspiros nos quatro cantos do planeta.

Para a Astrologia, ele reúne os atributos de Escorpião e, seu regente, Plutão. Seu império é do submundo, como o deus Hades (Plutão), seu erotismo, força, intensidade e sensualidade se encaixam com este signo/planeta.

Sendo o ator e seu personagem tão ofuscantes, a maioria das pessoas demora para pensar que a história em questão seria um tipo de abuso, pois o papel de ambos em cena é para causar tudo, menos para fazer pensar.

Todavia, se Massimo fosse interpretado por um senhor barrigudo e sem grandes atrativos, a reação seria exatamente a oposta. O público ficaria revoltado. Como assim, sequestrar uma pessoa por que cismou com ela? Tirá-la da vida dela sem aviso? Obrigá-la a ficar com ele por um ano? E será que a protagonista iria se apaixonar por um sequestrador feioso e autoritário ou iria odiá-lo pelo trauma que estaria vivendo, contando os dias angustiada para se ver liberta? Se não fosse pelo ofuscante ator italiano, detalhes do filme e da atitude de Massimo receberiam um outro olhar.

A cantora galesa Duffy que, em um texto publicado em seu site no ano passado, relatou ter sido drogada e estuprada depois de um sequestro, enviou uma carta ao CEO da Netflix dizendo que o filme “glamouriza a realidade brutal do tráfico sexual, do sequestro e do estupro”. Mais de 80 mil pessoas, por sua vez, assinaram uma petição que pede a retirada do filme de catálogo.

Na prática, existe uma conexão muito forte entre romantismo e abuso, este último um tema tão plutoniano quanto todo este post. Muitos homens que vigiam roupas ou comportamentos de uma mulher ou batem nela dizem que fazem isto porque “as amam”. Muitas e muitas vezes, o abuso, assim, vem com a cara de Michele Marrone, ou vá lá, menos bonito. Em uma oposição no Céu (12 a 19/07/2020), entre Sol e Plutão é importante que pensemos sobre o que é tóxico e abusivo em nossas vidas, seja vindo de fora ou de nós mesmos para conosco.

Quanto à polêmica em torno do filme, existe os que acham que é um desserviço social a mulher e outros que veem como um simples entretenimento erótico e fantasioso baseado nos inegáveis predicados do intérprete italiano. Deixo para você pensar o que acha. Fiz a comparação com um homem feio porque algumas mulheres brincam que adorariam ser sequestradas por um ano por um homem rico e lindo como Massimo. Mas será mesmo?

Como astróloga, uso o pretexto da história para fazer pensar em quantas coisas que parecem bonitas ou inofensivas e podem, muitas vezes, serem abusivas, guardarem algum veneno oculto ou até mesmo explícito. Chefes, supostos amigos, namorados, cônjuges que estão ali, de alguma forma, minando, prejudicando, causando dano, dia após dia. E como nem sempre é fácil perceber claramente, assim como não é com o filme, e acordar disso.

Artigo escrito em 19/07/2020.

Deixe um comenário